segunda-feira, 13 de maio de 2024

25 de Abril - Uma novela gráfica

     Há 50 anos aconteceu um dia que varreu uma ditadura de décadas por ação de um conjunto de capitães que derrotaram o regime. Nesta novela gráfica revisitamos os momentos icónicos e os personagens principais do 25 de Abril: a marcha dos tanques até Lisboa, Salgueiro Maia, Otelo Saraiva de Carvalho, os cravos e o povo, as negociações e os disparos, António de Spínola e a rendição de Marcello Caetano. Cabe tudo aqui: 

https://multimedia.expresso.pt/50anos25deabril/





segunda-feira, 8 de abril de 2024

Navio português do século XVI

Um arqueólogo naútico acredita ter encontrado um galeão da terceira armada de Vasco da Gama, naufragado em 1524. O navio está a cinco metros de profundidade ao largo do Quénia, onde se afundou no decurso da última viagem do navegador português à Índia. As primeiras escavações estão previstas para novembro. Vê a reportagem neste link: https://www.rtp.pt/noticias/pais/arqueologo-acredita-ter-encontrado-um-galeao-de-vasco-da-gama_v1560852

A partir de 1518 Portugal começou a construir navios desenhados para a guerra, com autonomia para navegar até aos oceanos Índico e Pacífico. Inspirado em tipologias mediterrânicas, este novo tipo de navios recebeu a designação de galeão e era provavelmente um navio de vela com três ou quatro mastros, montando artilharia que cobria os 360º do seu entorno e permitia uma defesa efetiva contra ataques de galés. Os galeões portugueses foram rapidamente adotados por outras nações e não pararam de evoluir durante o século XVI. Pose-se afirmar que mudaram a história da expansão europeia no mundo que então se abria à Europa.

Um desses galeões, o S. Jorge, capitão D. Fernando de Monroy, perdeu-se em Malindi há exatamente 500 anos, em 1524, a caminho da Índia, na terceira armada de Vasco da Gama, e parece ser o navio que foi encontrado nas águas daquela cidade, no recife de Ngomeni, em 2003.


Representação dos navios da armada de 1524. O terceiro (a contar da esquerda, linha superior) é o S. Jorge, e o quarto (primeiro, da segunda linha ) é o navio capitaneado por Vasco da Gama.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

Visita de estudo a Guimarães

 No âmbito da disciplina de História e Geografia de Portugal, os alunos do 5.º ano visitaram Guimarães e tiveram oportunidade de conhecer o Museu Alberto Sampaio, destacando-se a aula na sala de Aljubarrota , com duas peças que o rei D. João I, Mestre de Avis, ofereceu, em sinal de gratidão, a Nossa Senhora da Oliveira, depois da vitória na batalha de Aljubarrota: o loudel e o tríptico de prata dourada. O loudel é a veste militar que D. João I usou na batalha. O tríptico é um magnífico altar em prata dourada que representa um presépio.


De seguida, caminharam pela Praça da Oliveira e pela Praça de Santiago no Centro Histórico, reconhecendo as mudanças e permanências nos espaços. Visitaram o Paço dos Duques, percorrendo as diferentes salas e suas funcionalidades, conhecendo o modo de vida das pessoas nos séculos XIV-XV. Para terminar conheceram a capela de S. Miguel, a estátua de D. Afonso Henriques e o Castelo de Guimarães.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2023

A cultura Castreja

 Os alunos do 5.º ano aceitaram o desafio e habilmente construíram exemplos de castros, reforçando o conhecimento sobre o modo de vida dos povos castrejos. Vamos entrar?




quarta-feira, 18 de outubro de 2023

segunda-feira, 17 de julho de 2023

Cimento Romano

Estudo resolve enigma da durabilidade do cimento dos antigos romanos. Estudo resolve enigma da durabilidade do cimento dos antigos romanos. Uma equipa de investigadores resolveu o mistério da durabilidade do cimento utilizado pelos romanos, da qual o Panteão de Roma é prova, e a descoberta pode contribuir para a redução do impacto ambiental da produção de betão. Estudo resolve enigma da durabilidade do cimento dos antigos romanos. A "natureza superdurável" do cimento utilizado pelos romanos deve-se à utilização no seu fabrico de cal viva – que ferve a muito alta temperatura quando entra em contacto com água – que produz uma capacidade de autorreparação do material, concluiu a equipa.

https://www.publico.pt/2023/01/06/ciencia/noticia/estudo-resolve-enigma-durabilidade-cimento-antigos-romanos-2034101



sexta-feira, 16 de junho de 2023

Alunos do Colégio de Amorim entre os Vencedores da 3.ª edição do Concurso de História Militar e Juventude

    No dia 7 de junho, procedeu-se à entrega de prémios do Concurso História Militar e Juventude, subordinado ao tema A guerra colonial na minha terra, promovido pelo Ministério da Defesa Nacional e pela Associação de Professores de História. Os alunos Duarte Sousa e Sofia Cardoso, do sexto ano de escolaridade, receberam o 2.° e o 3.º prémio, respetivamente. O aluno Duarte Sousa apresentou em suporte audiovisual um trabalho que contemplava uma reportagem sobre as marcas da guerra colonial na história local da Póvoa de Varzim. A aluna Sofia Cardoso apresentou também em suporte audiovisual uma entrevista ao avô dando o seu testemunho da época. 
    Muitos Parabéns!







terça-feira, 25 de abril de 2023

25 de Abril

 


25 de Abril

A história da vida de Madalena das Dores Oliveira, a primeira mulher a chegar a Chefe de Brigada da PIDE, que distinguiu pela forma desumana como atuava. A partir do testemunho de cinco ex-presas políticas, constrói-se a história da vida de Madalena das Dores Oliveira, a PIDE Leninha, que foi a primeira mulher a chegar a Chefe de Brigada da PIDE - a polícia política do Estado Novo - e que se distinguiu pela forma desumana e de extremo sadismo como atuava.

 https://www.rtp.pt/programa/tv/p43878

terça-feira, 7 de março de 2023

sexta-feira, 16 de dezembro de 2022

Personalidades esquecidas da História

 Trabalhos dos alunos do 10.º C, no âmbito da disciplina de História. Cada aluno pesquisou e fez um marcador de portas, com uma pequena biografia de uma personalidade da Grécia Antiga, de Roma Antiga e da Idade Média.








sábado, 5 de novembro de 2022

Visita de Estudo a Foz Côa

 Uma vez mais, os alunos do 7.º ano, no âmbito da disciplina de História, saíram numa visita de estudo ao Museu do Côa e Núcleo de Arte Rupestre da Penascosa. Com a visita ao Museu do Côa, tivemos a oportunidade de, de uma forma interativa e Iúdica, ligar os conteúdos expostos no Museu com as aprendizagens desenvolvidas. Já no Núcleo de Arte Rupestre da Penascosa, talvez a parte mais emocionante de toda a visita, pudemos conhecer a criatividade dos homens e mulheres da Pré-História, através da arte que é também o reflexo do seu modo de vida. Uma experiência realmente extraordinária e de descoberta do artista e da arte do Côa que nos permitiu descodificar a arte paleolítica.



sábado, 22 de outubro de 2022

Visita de Estudo a Braga - Museu dos Biscainhos

 Os alunos do 6.º ano tiveram a oportunidade de visitar um palácio do século XVIII e de conhecer a vida quotidiana de uma família senhorial. Além disso, estudaram a arte barroca reconhecendo nos monumentos visitados o uso de linhas curvas e contracurvas, o gosto pelo movimento, os elementos decorativos, o uso da talha dourada, os azulejos e os tetos pintados.